domingo, 7 de junho de 2009

OS AMANTES ( parte I )


Os amantes se trançam na esperança,
nos rasos da esperança, nos vazios.
E fatigam-se nela, reinventando
de seu feroz novelo
um outro sempre, um outro
de feltro ou mais ameno.
E não deixam que o dia
e seus fragmentos
mudem na praça,
o roseiral da espera.
Nem deixam que a lua
seja aquário
em cada coisa sua.
Dilatam os horários
e os ritos,
com a mesma substância
em que se agitam.
E a esperança se faça
de uma esperança morta.
Ou quase, retomada.
Carlos Nejar

2 comentários:

  1. Lindo Vicente!
    Desde a imagem, ao poema, ao sentimento expressado nele... simplesmente fantástico!

    Me fez lembrar uma frase que amo!

    "Dois amantes felizes não têm fim nem morte,
    nascem e morrem tantas vezes enquanto vivem,
    são eternos como é a natureza."
    (Pablo Neruda)

    Um beijo meu querido!
    Mônica

    ResponderExcluir
  2. "Quando desenvolvemos o amor, nos tornamos mais positivos, tolerantes e atenciosos e, aos poucos, percebemos que os outros nos retribuem com sua bondade."
    um beijo

    ResponderExcluir